CESVI Brasil - Centro de Experimentação e Segurança Viária

Os carros voadores estão chegando

Protótipos estão cada vez melhores, mas ainda lutam contra a ciência e a lei.

04/07/2017
Talvez nunca seja possível sair voando com seu carro para escapar do congestionamento. Mas isso não significa que as empresas tenham parado de tentar chegar perto disso.

Na corrida pelo primeiro "carro voador", estão Airbus, Toyota, a brasileira Embraer e start-ups nos Estados Unidos e na Europa. A ideia é oferecer veículos para transporte urbano aéreo, com decolagem vertical, em até cinco anos.

Em abril, a Uber lançou uma divisão, a Elevate, para coordenar um serviço de táxi voador quando as aeronaves estiverem prontas.

"O trânsito é muito incômodo nas metrópoles. Começamos a estudar como trazer as aeronaves para ajudar na mobilidade urbana", diz Antonio Campello, diretor de inovação da Embraer, uma das empresas que vai desenvolver veículos para a Uber. A ideia é ter um protótipo até 2020.

O time da Embraer é pé no chão. "Chamam de carro voador, mas é uma aeronave. Não é prático fazer um avião com rodas, chassi, engrenagens de carro. Até dá, mas gasta muito combustível", afirma Campello.

Além disso, não é provável que as autoridades permitam que cada um pilote seu próprio carro-avião pela cidade, como nos filmes. "A regulamentação da indústria aeronáutica é bem restritiva e conservadora nesse sentido, e nós mesmos não faríamos uma nave que voasse sem confiabilidade", afirma Sandro Valeri, também engenheiro da Embraer.

Voltar